Fashion Stamp - Moda para os jovens
   SlidingYoutubeGallery Exception:
Expected response code 200, got 410 GDataNoLongerAvailableExceptionNo longer available

Terceiro dia de SPFW

Por: Carol Carvalho
 
 

Abrindo o terceiro dia de desfiles, Gloria Coelho mistura ciência, arquitetura e natureza na sua coleção para o inverno 2013. Como já é de sua assinatura, ela colocou diferentes elementos e inspirações em uma mesma coleção, pois assim tem bastante alimento para variar os looks, shapes e materiais, o que para essa coleção veio em blocos geométricos aplicados, tule e muita transparência recortada, tudo com o shape estruturado à La Gloria Coelho.

O Segundo desfile do dia ficou por conta do sempre esperado Alexandre Herchcovitch, que desta vez trabalhou com a suavidade sempre pesada de seu estilo fazendo florescer mulheres em uma passarela quase jardim. Um desfile delicado poético e floral, mas com volumes e formas que brotavam nos locais menos esperados e propícios, dando a beleza estranha que só uma peça de Alexandre pode ter. Sendo a passarela o seu jardim, não poderíamos deixar de ter estampas florais, que iniciadas de forma bem discreta, tomaram conta do final da coleção, fortificando a inteligência criativa do estilista. Tivemos ainda crepe georgette de seda, gorgorão de seda, lã doeskin, musseline de seda, lã fria, bordados de miçangas e cristais, chiffon de seda e cetim duchese, todos em vestidos e conjuntos delicados e incômodos na sua beleza.

Retornando ao SPFW e em uma edição de transição, o desafio das estilistas da Maria Garcia foi trabalhar bem com pouco tempo, afinal tiveram três semanas para desenvolver a coleção. Para isso a melhor solução foi fazer um “pronto para vestir”, com peças bem comerciais que saem da passarela direto para a loja. A coleção é leve e bem fluída e tem como peça desejo os florais, foco da pesquisa da marca com suas consumidoras e com o mercado externo. O tecido escolhido como desafio foi o crepe, pois não é tão utilizado nos looks atuais, mas é muito prático e tem tudo a ver com a coleção. Além dele ainda tivemos tecidos mais pesados, já que é inverno, e muita cor, trazendo graça e delicadeza a coleção.

Deserto e livro são a inspiração para o desfile terroso e metalizado de Vitorino Campos. Partindo do deserto do silêncio, o estilista iniciou o deu desfile apresentando looks simples, com modelagens enxutas e conjuntinhos, que representam bem os tons marrons do deserto. Seguindo o desfile ele apresenta um bloco prateado que nasce da sua segunda inspiração, o livro “Eram os Deuses Astronautas”, que lida com a conexão entre terra e outros planetas. Assim a sua coleção vai de conjuntos a vestidos que apresentam o seu quê fashionista mas que não deixa de ser bem comercial.

Penúltimo desfile da noite, R. Rosner traz a passarela a sua versão feminina.  A coleção “Se eu fosse Maria Carolina” nada mais é que a parte feminina do estilista, sendo Maria Carolina o seu nome caso tivesse nascido mulher, assim nascendo do seu feminino as escolhas fashion que faria para o seu armário Maria Carolina, um armário jovem, com formas simples e puras, mas com todo glamour que qualquer lado de Rodrigo não abandonaria, ou seja, tecidos finos, bordados, proporções e aplicações.

Fechando a última noite de SPFW tivemos o inverno quase verão da Forum, que inspirada na sombra e água fresca que só  temos aqui no nosso Brasil, seguiu a sua coleção de verão desfilada na última edição do evento e trouxe a passarela uma típica brasileira, com vestido e tecidos leves e estampas bem nacionais, desenvolvidas por Filipe Jardim e Ira Trevisa. Dentre elas palmeiras, cocos, silhuetas de montanhas e temas naturais que caracterizam a mulher que a Forum quer ter na sua marca, uma mulher tipicamente brasileira e natural.


 

Veja Também